Produtores rurais realizam a aplicação de larvicidas nos rios Santa Cruz e Capinzal

Produtores rurais realizaram nesta semana a aplicação de larvicidas nos rios Santa Cruz e Capinzal para exterminar as larvas do mosquito borrachudo. A Secretaria da Agricultura e Meio Ambiente e EPAGRI fizeram no último dia 9 de fevereiro, um levantamento e vistoria nos rios analisando a quantidade de larvas e volume de água no rio. Posterior a isso foi feito a dosagem e entregue aos produtores treinados para fazer a aplicação sendo dividida em três etapas a cada 15 dias.

Foram aplicados nessa primeira etapa, 56,5 litros de larvicida biológico no leito dos rios.

 

MOSQUITO BORRACHUDO

Esse parasita está presente no Brasil, Venezuela, Colômbia. Na região de Capinzal não existe transmissão de doenças pelo borrachudo ao homem, a aplicação do larvicida é exclusivamente pelo incômodo da picada que coça.  A fêmea se alimenta do sangue de mamíferos. Portanto, quem pica é a “borrachuda”. Coça porque quando o inseto pica, injeta uma substância que provoca uma reação alérgica na pele.

A fêmea adulta deposita os ovos em folhas e galhos submersos em água corrente dos riachos. Os ovos viram larvas e pupas e, depois de 25 dias, o adulto sai de dentro da água. Quando a fêmea é fertilizada, procura um mamífero para picar, porque o desenvolvimento dos ovos que ela carrega depende da proteína do sangue, que pode ser de um ser humano.

Ao contrário do mosquito da dengue o borrachudo não gosta de água parada e quanto mais sujeira tiver, melhor. As larvas se alimentam de matéria orgânica, por isso lixo e dejetos de animais é o combustível para o criatório do borrachudo.

Para diminuir a incidência do borrachudo é preciso aplicar um inseticida biológico na água. A base do produto é uma bactéria, o “bti”, que mata a larva do inseto. O inseticida é diluído em água na proporção adequada e espalhado pelo riacho. Em poucos segundos, forma-se uma espuma. O laravicida não faz mal à saúde das pessoas, de peixes e de outros animais.

Fonte: Rádio Barriga Verde
Foto: Rádio Barriga Verde